Poesia de um dia cinza

Posted by: Clodoilson

Março 13th, 2004 >> Sombrios

O orvalho do capim parece sua armadura de prata refletindo o céu cinza que insiste em chorar sobre nós. Vem o vento, enquanto tenta enxugar suas lágrimas corta-nos com suas lâminas tão finas, tão finas…
Ouvem-se os passos que aos poucos vão se tornando mais volumosos, ouço meus pensamentos, quase serenos, quase confusos, quase só meus…


O chão é frio, quase tão frio quanto estes versos; o vento tenta mais uma vez e corta meu pensamento.
Posso ouvir os pássaros e, quando os carros silenciam, é possível ouvir as folhas se tocando nas copas das árvores.
A formiga está apressada, como sempre, a moça está apressada, como sempre, e, os carros também, mas o vento continua sereno, o mesmo, senão um pouco mais frio.
Já não há muito a ser dito, todos os dias numa folha de papel, ano após ano, metas parecidas em mentes parecidas de tanto buscarem a originalidade, todos os dia alinhados, um após o outro, como as linhas de um poema; as mesmas críticas, as mesmas idéias inéditas, a mesma inação.
É um milagre que eu ainda consiga observar tudo isto assim desta forma; com esta sensação ilusória de que ainda não fui afetado ou infectado por esse marasmo cotidiano. Doce ilusão, amarga verdade.
Ao menos ainda consigo sorrir, o humor ajuda a suportar o tédio, sobrevivemos de migalhas de pequenas alegrias. Perdoar os outros é fácil, admitir que contribuímos com a perpetuação do que é sem sentido nos causa náuseas.
Agora, um desabafo é quase inútil, quase sem sentido, quase sem força, quase um poema.

Comentários do Face

comentários

This entry was posted on sábado, Março 13th, 2004 at 0:00 and is filed under Sombrios. You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed.You can leave a response, or trackback from your own site.
6 Responses to “Poesia de um dia cinza”

Clodoboy, seus poemas são dignos de elogios até do mais consagrado poeta. Como sempre sinto-me mais uma vez honrado em absorver um pouco do seu imensurável conhecimento. Saudades do “Galêgo”.

13/03/2004 20:45

Assim como o galego, sinto me embevecidamente vangloriado de poder contemplar seus
magnificentes poemas.
Um abração.

15/03/2004 17:17

agora com poucas palavras:

cara, tu eh foda… escreve pra kct
^^

19/03/2004 23:54

testando 1 2 3??
Agora vai??
Hei, foda mesmo
escreve d+
=D

20/03/2004 17:06

Clodoilson Says:
Março 27th, 2004 at 14:05

Jamais pensei ter tamanha honra, os receber neste humilde blig, obrigado amigos, vcs habitam meu coração.

27/03/2004 14:05

_LuciferiaN_ Says:
Março 28th, 2004 at 0:09

bem vindo ao capitalismo
cada um se contenta do jeito que pode uns com pouco outros com muito e nao sao felizes … + tentao fingir e fujir da realidade de varias formas frio eh o sopro do vento na madrugada frio eh a voz da pessoa quando diz eu te odeio frio eh quase um sentimento uma dor uma magoa
se es frio nao te importas pos somente o tempo ira lhe esquentar com ajuda de uma pessoa ( de preferencia que lhe ame e que voce ame )

AEE MULEKE MTO ROX SEU BLOG VELHO DO VALOR GERAL !

28/03/2004 00:09

Leave a Reply

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

%d blogueiros gostam disto: