Gritos agonizantes de um coração sangrando

A dor profunda vem invadindo a carne imitando uma bárbara adaga fria, enfiada por um cão danado entre minhas costelas e a bacia; grito meu grito abafado que ecoa como que de uma caverna sombria lotada de condenados, dói o peito, rasga-se a alma e o corpo fica em agonia.Pobre daquele cujo coração não experimentou [...]

Share
 Leia o texto na íntegra (6 Comentários)

25 de janeiro de 2004 por
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (23 votos, média: 5,00 de 5)
Loading ... Loading ...


Eu sou o Arauto da Revolta

Eu sou o Arauto da Revolta, todos vocês me enojam, me revoltam todos vocês que nasceram com um pouco mais de dinheiro e se acharam no direito de menosprezar os pobres, e ainda mais, se acharam livres da responsabilidade de diminuir a miséria na Terra. Me revoltam todos vocês que nasceram um pouco mais belos [...]

Share
 Leia o texto na íntegra (2 Comentários)

25 de janeiro de 2004 por
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (24 votos, média: 4,96 de 5)
Loading ... Loading ...


A substância negra nos átrios

Venho a ti, ó tenebrosa criatura chamada mentira, venho dizer-te que te repudio, a obra que te tem por alicerce logo vem à ruína, tua vida é curta, sois senhora da ilusão humana. Quero dizer-te, não mais me iludirás, odeio a ti, não quem tu corrompes, é assim que me vingarei, assim se manifestará a [...]

Share
 Leia o texto na íntegra (1 Comentário)

18 de janeiro de 2004 por
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (23 votos, média: 4,96 de 5)
Loading ... Loading ...


Descriativo

Não é fácil desfazer o que já está mal acabado, criar o incriado parece mais difícil que tudo, como desfazer o casamento entre este e o nada do qual nossa noção de existência é filha, cargas genéticas divididas, inclinações por livre arbítrio, abstrações por natureza? Noção vaga do que é vazio, pensamento cheio do que [...]

Share
 Leia o texto na íntegra (9 Comentários)

18 de janeiro de 2004 por
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (24 votos, média: 4,96 de 5)
Loading ... Loading ...


Canção do exílio

Minha terra tem lixeiras, Onde catam os cheira-colas; Os mendigos que por aqui vagueiam, Pelejam para roubar. Nosso céu se torna cinza, Nossas várzeas, maus odores, Nossos bosques são vendidos, Nossa vida sem penhores…

Share
 Leia o texto na íntegra (6 Comentários)

18 de janeiro de 2004 por
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (25 votos, média: 4,96 de 5)
Loading ... Loading ...